«Proximidade, cordialidade, honestidade e ética, características da minha relação ao longo de todos estes anos com o Município» - disse o presidente da 'Confraria da Foda' e Junta de Freguesia de Pias

 Agostinho Correia, actual presidente da Junta de Freguesia de Pias (concelho de Monção), foi eleito como independente. Cumpre o seu último mandato em virtude da limitação imposta pela lei, mas continuará a fazer parte do executivo da freguesia, pois incorpora a única lista candidata, também independente.

É o presidente da “Confraria da Foda” que, ao que julgamos saber, é a “menina dos seus olhos”. E com imenso sucesso! O Minho Digital foi entrevistá-lo.

 Citação

Minho Digital (MD) - Fale-nos um pouco do que foi o seu trajecto como presidente de Junta e como surgiu a “Confraria da Foda”.

No terminus do último mandato na liderança dos destinos da minha freguesia Pias, permitam-me, que deixe uma palavra de profunda gratidão a todos os meus conterrâneos, sem excepção!

Obrigado por acreditarem no trabalho da nossa equipa e por nos darem legitimidade de dirigirmos os destinos da nossa terra.

Ser presidente de uma Junta da Freguesia, na minha óptica, implica antes de mais uma vivência diária com e para a população, uma busca contínua de propostas e respostas inovadoras e eficazes e uma perfeita compreensão da realidade social e dos caminhos a seguir para combater dificuldades e carências que fazem parte do nosso quotidiano.

Quando cheguei pela primeira vez à Junta de Freguesia era um jovem inexperiente, humilde, mas responsável e cheio de sonhos, não estava propriamente familiarizado com um conjunto de funcionamentos, regras e restrições. Contudo, depressa meti as mãos à obra e tracei os próprios objectivos, transparência em todo o trabalho e nos procedimentos realizados, servindo a população em todos os aspectos possíveis. Na qualidade de presidente de Junta, caracterizo-me como sendo um “autarca do terreno.” Sempre tive consciência das necessidades e dificuldades da minha terra, da minha gente, permitindo sempre a proximidade e garantia de bem-estar a toda a população.

Portanto, o que fiz ao longo do meu percurso, enquanto autarca resume-se ao facto de dotar a Junta de Freguesia de condições técnicas para iniciar um projecto estruturado e inovador, com vista a alcançar todos os objectivos a que me propus, tarefa que nem sempre foi fácil, mas modéstia à parte sempre consegui contornar e ultrapassar os obstáculos, transformando as coisas em causas.

Neste momento posso afirmar convictamente que a nossa energia e o conhecimento técnico não só concretizou os objectivos iniciais, como preparou este executivo para os desafios que se avizinham - muitos por sinal.

Acreditando piamente na máxima: o “sonho comanda a vida”, a I Edição da Feira da Foda, Pias – Monção é, agora, um sonho que desde muito cedo acalentei e que hoje é uma realidade. Sonho este, partilhado agora pela gente da minha terra. Sendo a “Foda à Moda de Monção,” o prato mais típico e emblemático de Monção, não poderia deixar de realizar-se um certame, que lhe é dedicado.

A Confraria da Foda, tal como a realização da I Edição da Feira da Foda Pias – Monção, era um sonho antigo que permanecia na gaveta e que viria a ser concretizado em Outubro de 2016 aquando da oficialização por escritura pública.

Considero a Confraria da Foda uma mais-valia quer para Pias, quer para o concelho de Monção, uma vez que tem como objectivos primordiais defender, divulgar, dignificar e preservar a tradição gastronómica e os produtos endógenos do nosso concelho, Monção, com especial destaque para o já emblemático prato “Foda à Moda de Monção.” Em suma, promover os nossos sabores e saberes, a nossa cultura e os nossos costumes!

O património gastronómico de Monção é expresso na arte de bem cozinhar, sendo rico e variado, contemplando diversas especialidades gastronómicas, destacando-se a “Foda à Moda de Monção” como grande anfitriã do saber fazer da nossa gente. 

 2

3

8

MD - Sendo independente, num concelho liderado por uma Câmara Municipal do PS, como foi a relação ao longo destes anos? Alguma vez sentiu-se menosprezado politicamente em comparação com outras freguesias?

Antes de responder à questão colocada, sublinho o facto de já ter sido eleito pelo Partido Social-democrata (PSD), pelo Partido Socialista (PS) e como Independente.

A proximidade, cordialidade, honestidade e ética são características que traduzem a minha relação ao longo de todos estes anos com o Município.

Nunca em circunstância alguma me senti menosprezado e/ou mais beneficiado em detrimento das demais freguesias.

 

MD - Quais foram as obras mais emblemáticas nestes anos em que presidiu aos destinos da freguesia?

Nesta terra, onde o passado e presente fazem História, trabalhamos todos os dias para aumentar a qualidade de vida de quem cá reside e de quem nos visita.

Para além das áreas tradicionais de intervenção da freguesia no plano social, educativo, cultural, desportivo e de apoio ao desenvolvimento comunitário que foram desenvolvidos nos últimos anos, destaco as obras e intervenções mais relevantes

 A rede de saneamento, melhoramento da rede pública de iluminação, requalificação das redes viárias, largos e fontanários requalificados, apostámos no bem-estar da população e na valorização da área de lazer através da reabilitação do Largo do Cruzeiro, recuperámos os tanques públicos, construímos um forno comunitário, instalámos uma caixa Multibanco, criámos o Espaço Internet e Biblioteca, adquirimos um tractor e, a pensar na prevenção florestal, adquirimos uma cisterna de combate aos incêndios. Possuímos também uma carrinha de nove lugares que está à disposição de toda população.

No que concerne aos espaços públicos: recuperámos e pavimentámos os passeios, pavimentámos e colocámos equipamentos de utilização comum (vassouras, baldes, etc.) no cemitério, assim como criámos condições propícias aos passeios pedonais e BTT, cada vez mais frequentes. A pensar na actividade lúdica das crianças construímos um Parque Infantil. Fomentámos as actividades culturais, de lazer e de convívio, promovemos diversos eventos e passeios. Construímos infraestruturas com mais espaço verde e, consequentemente, embelezamos os espaços públicos mantendo em bom estado de conservação todos os espaços jardinados.

Por fim, não poderia deixar de destacar a realização da I Edição da Feira da Foda, Pias – Monção e a dimensão que este certame trouxe a Pias, ao nosso concelho. Um marco histórico na história da nossa terra!

Monção afirma-se cada vez mais como um destino gastronómico de excelência!

 5

9

7

MD - E enquanto presidente da ‘Confraria da Foda’. Existiu colaboração da autarquia tendo em consideração o imenso sucesso que foi a 1ª feira da Foda?

Como é do conhecimento público, a realização deste certame só foi possível graças à cooperação e apoio de entidades públicas, como é o caso do Câmara Municipal de Monção e de entidades privadas (empresas).

 

MD - Em termos gerais, como avalia a prestação da Câmara Municipal (CM)?

O processo de avaliação é sempre contínuo!

 

MD - Sei que esteve no jantar de apoio à recandidatura de Augusto Domingues. Foi por sua iniciativa ou cedeu a algum convite?

Reformulando a questão, fui ao jantar de apoio à recandidatura do Eng. Augusto Domingues uma vez que fui convidado, assim como, também já fui a outros jantares de outras cores partidárias, para os quais também fui convidado.

 

MD - Presumo, por isso, que está de ‘alma e coração’ com essa candidatura. Quer comentar?

Sim, estou e estarei de “corpo, alma e coração” com a minha freguesia. O meu compromisso é para com a gente da minha terra.

 4

6

MD - Temos conhecimento que a lista do PSD à Câmara Municipal não tem nos primeiros cinco lugares nenhum elemento do Vale do Gadanha. Teve nas últimas eleições o Eng. Garrido, que desta vez não foi convidado, como ele próprio confirmou à comunicação social. Não vê esta situação como um enorme retrocesso?

Penso apenas que o Vale do Gadanha, tal como o Vale do Mouro, merecem ter representatividade, voz.

 

MD - Que apelo deixaria aos seus concidadãos de Pias?

Agradeço esta oportunidade e apraz-me dirigir-me aos meus ilustres amigos e amigas,  concidadãos de Pias e à nossa comunidade de emigrantes pelo reconhecimento do nosso trabalho. Aproveito para endereçar uma mensagem especial de profunda gratidão. Pias estará para sempre gravada no meu coração! A toda a população de Pias, a todos os elementos que me acompanharam e acompanham na Junta de Freguesia, pela compreensão que tiveram desde a primeira hora em que entrei no mundo da política. Em jeito de conclusão, a mensagem que deixo é aquela que fica cada vez que falo com cada uma das pessoas: trabalho, sinceridade, optimismo, honestidade e esperança num futuro risonho! É para mim motivo de orgulho continuar a servir Pias, pois são as pessoas que fazem a Freguesia, e a Freguesia é aquilo que fazemos pelas pessoas!  

Quero uma Junta de Freguesia aberta à população, que trabalhe em prol da população. Quero uma Freguesia dinâmica e pronta a abraçar os desafios futuros.  Nunca é demais agradecer a confiança depositada na nossa equipa e no nosso projecto ao longo de todos estes anos. Esta confiança representa para nós, não só um motivo de orgulho, mas também a enorme responsabilidade de fazer mais e melhor pela nossa terra.

 Afinal, aquilo que nos une é bem mais do que aquilo que nos distancia! Um grande Bem-Haja a todos! Um abraço amigo a todos os monçanenses!